Domingo, 06 de Dezembro de 2020
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Igreja Batista Redenção

Crentes no Divã: Por que a Fé Cristã Rejeita a Psicologia?

A“Integracionismo” é o nome dado à união da psicologia com a teologia no exercício do aconselhamento bíblico. Não faltam livros e artigos que apresentam essas duas frentes como aliadas íntimas que contribuem para a edificação do povo de Deus. A ideia de “psicologia cristã” trouxe uma falsa segurança aos “pacientes” que desejam abraçar os protocolos e métodos da psicologia sem, contudo, abandonar os valores do cristianismo. De fato, é triste ver o número expressivo de crentes que buscam no divã a solução para os problemas que a Escritura já tratava muito antes de Freud, Skinner ou Jung. No cotidiano, não é raro ouvir cristãos fazendo “terapias” e afirmando, sem o menor incômodo, coisas como “meu psicólogo disse que...” ou “esta semana foi difícil, então precisei encontrar um encaixe na agenda do meu terapeuta”. Essa visão é totalmente estranha à Escritura.

Em termos de pressupostos, psicologia e teologia são majoritariamente antagônicas. Enquanto a primeira toma por ponto de partida a ideia de que as soluções para as questões e problemas individuais estão “dentro” do próprio ser humano ou no ambiente que o cerca, o segundo entende que o coração humano é enganoso e totalmente corrupto (Gn 6.5; Jr 17.9; Mc 7.20-23), sendo somente por meio da revelação divina que o homem pode conhecer melhor não apenas a Deus, mas também a si mesmo (Sl 19.12; 139.1-18,23-24). As respostas, portanto, nunca estão no próprio homem, mas no Criador. Além disso, a psicologia não tem um compromisso exclusivo com a Bíblia, vendo nas outras ciências uma fonte de autoridade de igual ou maior calibre.

Mesmo os cristãos que exercem a psicologia em clínicas e consultórios experimentam dilemas no que diz respeito à proclamação da verdade, já que, como profissionais, não têm autorização dos conselhos regionais ou dos códigos de ética para pregar o evangelho, aconselhar biblicamente, dar direções, cobrar mudanças ou exortar sobre o abandono de condutas pecaminosas. Na prática, toda metodologia empregada está sujeita aos critérios seculares e não aos princípios cristãos.

É fato que a psicologia, como área de estudo, pode contribuir com considerações interessantes no campo da observação comportamental, metrificando hábitos de consumo, identificando fatores de memorização ou mesmo otimizando a capacidade de atenção e foco das pessoas, apenas para citar alguns exemplos. Entretanto, ao propor-se como uma ferramenta para resolver os conflitos internos de um indivíduo, a psicologia roga para si um papel que não lhe compete. Mesmo o integracionismo, que usa de uma roupagem cristã, falha por não entender que a Escritura é absolutamente suficiente para sanar todos os problemas não físicos do ser humano (2Pe 1.3).

A questão se torna ainda mais densa quando o contexto eclesiástico popular não apenas aceita o convívio pacífico com a psicologia, em suas várias formas, mas endossa seu modo de agir sem qualquer resistência. A seguir, são listados três exemplos de como a psicologia tem ganhado espaço no contexto cristão.

Em primeiro lugar, percebe-se tal perigo no vocabulário, no conteúdo e na metodologia empregados dentro da igreja. Hoje, fala-se sobre frequentar “sessões” de aconselhamento, identificar “gatilhos” para determinados comportamentos (geralmente, pecaminosos), ter “problemas com o passado” (coisas como “não se perdoar”, por exemplo) ou relacionar-se com “responsabilidade emocional”. Vagarosamente, pastores, professores e mestres têm acolhido expressões e técnicas da psicologia, perdendo a visão bíblica a respeito de como encarar problemas essencialmente espirituais.

Para o cristão comum, uma expressão disso é o contato com literaturas rasas e psicologizadas como As Cinco Linguagens do Amor, de Gary Chapman, ou a centena de livros publicados por Augusto Cury. A título de exemplo, problemas conjugais não são tratados a partir da teologia bíblica do matrimônio, mas sim da perspectiva comportamental que enfatiza a autoestima, os “paparicos” e o “passo a passo” para restaurar o casamento em “X dias”. Nas redes sociais, muitos crentes compartilham frases motivacionais que não possuem nenhum fundamento bíblico ou que até mesmo contradizem a Escritura.

Em segundo lugar, há um crescimento do psicólogo como “médico da mente” e uma desvalorização proporcional do trabalho pastoral. Os motivos para isso são vários e muitos nascem da ignorância sobre a antropologia bíblica, como ilustrado na compreensão entre dicotomismo (doutrina que afirma que o homem é composto por uma parte material e outra imaterial, ou seja, corpo e alma/espírito) e tricotomismo (em que o homem é formado por três esferas — corpo, alma e espírito). Os que defendem o modelo tricotomista afirmam que a medicina cuida do físico, a teologia zela pelo espírito e a psicologia é a responsável pela alma. Para eles, questões emocionais, sociais ou pedagógicas devem ser levadas ao “profissional da mente”. Soma-se a isso a visão que muitos “crentes de divã” têm do pastor: alguém limitado (na melhor das hipóteses), retrógrado, “mente fechada” ou insensível (especialmente, os mais bíblicos).

Em contraste, os defensores do dicotomismo entendem que textos como 1Tessalonicenses 5.23 apenas enfatizam a totalidade do ser humano e não apresentam um modelo antropológico tripartido, sendo a Escritura, portanto, suficiente para consolar, restaurar e guiar o indivíduo naquilo que pertence à realidade imaterial do homem (Sl 19.7-8; 119.25,28,50,52,71,76,92,130). Nessa visão, o pastor exerce papel importante, já que se dedica ao trabalho de zelar pela alma de suas ovelhas e, mais do que um profissional da psiché, que presta contas a um conselho regional de psicologia, o ministro do evangelho é cobrado e avaliado pelo próprio Senhor (Hb 13.17).

A terceira expressão da psicologia no contexto da igreja local é a imensa falta de cosmovisão cristã por parte dos evangélicos. Muito teria a se falar sobre isso. De fato, é estarrecedor ver crentes de longa data ignorando que problemas como vício em redes sociais, desequilíbrio na mordomia do corpo e até mesmo pensamentos suicidas são questões espirituais. Trata-se do modo de enxergar, definir e reagir ao mundo e suas questões, sejam elas da esfera macro ou micro, interna ou externa.

O exemplo mais verificável disso é o hábito de categorizar pecados como “doenças” que carecem de “tratamento”, “soluções” ou “remédios”. O vocabulário cristão moderno não contempla “arrependimento”, “culpa” ou “santidade”. Os motivos para isso envolvem a facilidade de tratar uma doença em contraste com a perseverança e dependência espiritual necessárias para vencer determinado pecado. Além disso, o egocentrismo e o vitimismo do século 21 pintam todos como pobres coitados que não desempenham qualquer responsabilidade direta em suas mazelas. A Bíblia, por outro lado, apresenta todos como pecadores que, pela graça e capacitação do Espírito Santo, podem batalhar e vencer seus impulsos pecaminosos (Gl 5.16).

Como reverter esse quadro? É necessário, antes de tudo, que pastores, professores e mestres reassumam um compromisso completo com a Escritura. Pregações expositivas devem tomar o espaço que hoje está reservado às palestras motivacionais e aos princípios do “coach cristão”. É imprescindível, também, que os crentes nutram uma visão mais elevada da Palavra de Deus, rejeitando literaturas rasas e pragmáticas, e busquem crescer em maturidade e conhecimento bíblico genuíno (2Pe 3.18). Trata-se de uma renovação no modo de ler e encarar o mundo, deixando que as definições da Bíblia falem mais alto que os artigos acadêmicos seculares.

É importante, também, que cada crente assuma sua responsabilidade nas esferas em que está inserido: em casa, os pais devem tomar as rédeas do lar e inculcar a Palavra de Deus na mente de seus filhos, entendendo que os pilares da educação são teológicos e não meramente psicopedagógicos (Dt 6.6-9); no relacionamento conjugal, marido e mulher devem nutrir amor e respeito (Ef 5.33), lembrando sempre que o pecado causou rupturas nos relacionamentos humanos que só a graça de Deus pode restaurar (Gn 3.16); na igreja, os crentes devem servir ativamente uns aos outros, tirando o olhar do próprio umbigo e compartilhando dos fardos alheios (Fp 2.4); na santificação pessoal, os salvos devem abandonar seus pecados e frutificar atos santos (Ef 4.22–6.9; Cl 3.8–4.1).

Por fim, o apelo dirigido aos servos de Deus, e que serve de resumo ao que foi dito, é o seguinte: levante-se do divã do psicólogo e deleite-se na suficiência da Escritura, reconhecendo que o cristão não se guia pela sabedoria humana (1Co 2.4-5,13; 3.19-20), mas pela Palavra, que “é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2Tm 3.16-17).

Pr. Níckolas Borges
Coram Deo

 
Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.