Segunda, 23 de Setembro de 2019
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

O que é Domínio Próprio?

Pastoral

“Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei” (Gl 5.22-23).

Quando lemos a lista de virtudes do “fruto do Espírito”, é fácil perceber que só Deus é mesmo capaz de produzir tais coisas de modo consistente em nossas vidas. Ainda assim, a Bíblia nos orienta a buscar tais virtudes com zelo e na dependência da ação do Espírito Santo. A última das virtudes dessa lista é o “domínio próprio”. Tal virtude expressa a ação de exercer controle sobre si mesmo a fim de dominar os desejos em lugar de ser dominado por eles. Tem como sinônimos a temperança e o autocontrole.

Quando pensamos em autocontrole, a primeira coisa que nos vem à mente é o necessário controle sobre os desejos da carne, como a lascívia e a imoralidade. Na verdade, o domínio próprio é bem mais abrangente e não tem influência apenas sobre as coisas que não podemos fazer, mas também sobre as coisas que temos de realizar e que nossa vontade reluta em executar. A batalha do domínio próprio começa no dia da conversão a Cristo e termina no encontro com Jesus nos céus. É uma luta que dura a vida toda e nos inflige derrotas sobre derrotas, exigindo esforço, dependência do Espírito e amor ao salvador Jesus.

Paulo, o apóstolo que teve a seu encargo a maior tarefa missionária da igreja apostólica e a maior responsabilidade em termos de escritos do Novo Testamento, fala da sua luta pessoal para subjugar a vontade pecaminosa interior a fim de servir bem a Deus. Ele diz: “Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado” (1Co 9.25-27). Mais do que a figura de um treino esportivo, essa é a descrição de uma batalha pessoal interna.

Todo bom estrategista militar sabe quais os melhores campos de batalha para enfrentar o inimigo e as melhores táticas de guerra. Nós, como guerreiros de Deus contra o mal e o pecado, também precisamos saber onde lutar a fim de ter êxito em exercitar o autocontrole. O primeiro passo é cuidar para que o inimigo não receba suprimentos e munições que possam ser usados contra nós. Portanto, devemos começar a batalha controlando nossa mente e o que entra nela. Se rechearmos nossa mente com pensamentos maus, não podemos esperar combater bem a tentação quando ela atacar justamente as áreas em que encontra as melhores condições de nos invadir, visto ter infiltrados inimigos dentro da fonte dos pensamentos.

Você pode pensar o que quiser, mas se seus pensamentos não forem puros, dificilmente sua vida o será. Se você não pode dominar sua mente, como espera conseguir dominar seu corpo? Não há como falar de todas as áreas da vida e do corpo que precisamos dominar para haver real santificação. Precisaríamos de vários volumes que falassem sobre os olhos, ouvidos, pensamentos, desejos, preguiça, gula, impulsos sexuais, ira, rancor, autocompaixão, vanglória, cobiça e inúmeros pecados referentes à natureza humana que necessitam ser dominados.

Para exemplificar o padrão da conduta temperante e do resultado positivo que ela tem na comunhão com Deus, lancemos mão apenas de um exemplo: a língua. É óbvio que não se trata do órgão anatômico localizado dentro da cavidade bucal, mas daquilo que nós falamos. A mesma boca pode abençoar enormemente outras pessoas, ou pode causar destruições sem tamanho e é incrível como a segunda opção é sempre mais frequente que a primeira. Quanto ao controle sobre o que dizemos, a Bíblia diz: “Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça no falar, é perfeito varão, capaz de refrear também todo o corpo” (Tg 3.2). Esse é o padrão do controle sobre os desejos de pecado e só acorrentando tais inimigos é que podemos almejar a perfeição que agrada a Deus e a santidade que ele ordena.

Mas não é preciso dominar apenas os pecados e os desejos do ego. É necessário haver autocontrole mesmo sobre coisas que em si mesmas são boas ou neutras. Por exemplo: o alimento, que é algo bom que Deus nos deu para o suprimento do corpo físico. Na verdade, ele é tão importante que somos instruídos a agradecê-lo todas as vezes que o recebermos. Entretanto, se abusamos na quantidade do que comemos e no excessivo prazer nele, cometemos pecado. Outro caso que ilustra bem é a companhia dos amigos. Somos incentivados a ter comunhão com os bons amigos no Senhor, mas se somos tão frequentes à sua casa, podemos enfadá-los e causar dano à comunhão sadia, ao invés de fortalecê-la. O excesso das boas coisas geralmente é pecado e precisa ser dominado para que não nos domine. O livro de Provérbios diz: “Achaste mel? Come apenas o que te basta, para que não te fartes dele e venhas a vomitá-lo. Não sejas frequente na casa do teu próximo, para que não se enfade de ti e te aborreça” (Pv 25.16-17).

A verdade é que somos frequentemente dominados pelo que amamos. Se você ama muito alguém, alguma coisa ou até você mesmo, é bem provável que não haverá controle sobre as circunstâncias que ferirem tais áreas. Portanto, a melhor maneira de manter o controle pessoal e o domínio próprio é amar a Deus acima de todas as coisas e, assim, ser dominado inteiramente pelo seu Espírito.

Pr. Thomas Tronco

 

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.