Terça, 24 de Abril de 2018
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

A Igreja que Virou Farmácia

Pastoral

Certa vez, em meados dos anos 2000, quando esperava o ônibus para ir à igreja no ponto próximo à minha casa, escutei uma conversa entre dois homens. Eles falavam acerca de trivialidades, até que um afirmou estar desempregado e precisando de dinheiro. Quase imediatamente o outro asseverou se encontrar na mesma situação. Depois de um silêncio tumular, diante do lamento mútuo acerca da situação, um dos homens, quase que contando uma piada, propôs ao outro abrirem uma igreja. Os dois riram, tamanho o absurdo da proposta. Meu ônibus chegou e eu parti.

Entretanto, qual não foi minha surpresa ao ver aqueles mesmos homens empunhando um microfone, esbravejando jargões ditos evangélicos, dentro de um salão organizado com algumas cadeiras e um púlpito ao fundo, bem em frente ao ponto de ônibus onde tudo começara algumas semanas antes!

Esse método de implantação de igrejas não poderia estar mais distante do modelo neotestamentário. Em primeiro lugar, o nascimento de uma congregação deve sempre ocorrer sob os auspícios de outra igreja. Esse princípio é estabelecido e obedecido ao longo de toda obra missionária dos apóstolos no livro de Atos (At 11.20-22; 15.1-4).

O nascimento e crescimento de uma congregação devem ser supervisionados por outra igreja, madura, de autoridade inquestionável, defensora e sustentadora da sã doutrina. Essa supervisão tem por objetivo conferir sustento espiritual e, inclusive, material, para que a congregação alcance a maturidade necessária à autogestão.

Em segundo lugar, os líderes da congregação embrionária devem ser investidos nessa função por meio da decisão soberana e exclusiva da igreja (At 14.23). Mesmo aqueles que forem instituídos como líderes transitórios para o cuidado de uma igreja em nascimento precisam ser designados e enviados pela igreja que detém autoridade sobre aquela congregação (At 13.1-3).

O Novo Testamento registra que líderes delegados por uma igreja consolidada eram enviados para supervisionar o nascimento e crescimento das congregações embrionárias com a missão, inclusive, de estabelecer líderes locais para que a igreja se solidificasse e pudesse andar com as próprias pernas (At 8.41; 15.22-31; Tt 1.5). Constituída essa liderança, a igreja nascitura dava o primeiro passo rumo à independência espiritual e financeira.

O processo de nascimento, crescimento, consolidação e independência de uma igreja deve sempre respeitar essas duas premissas: a autoridade incontestável de uma igreja sobre a congregação e a soberania da igreja na escolha e envio de líderes. No entanto, questões de ordem prática, tais como o estabelecimento de um lugar de culto ou ponto de pregação, a formação de uma congregação com rol de membros e a escolha de uma sede própria, podem variar de acordo com as circunstâncias e suas particularidades.

Na formação da IBR Pinheiros, temos seguido essas diretrizes e, dessa maneira, iniciaremos o ponto de pregação no Hotel Golden Tower. Nossos encontros estão programados para todo domingo, das 9h30 às 12h30. O culto terá início às 10h e se estenderá até, no máximo, 12h, com pregação, hinos, leitura bíblica e oração. Os trinta minutos reservados antes e depois do culto servirão para os irmãos novos se conhecerem e partilharem de um tempo de comunhão e amizade.

Os estudos bíblicos se concentrarão na carta de Paulo aos Colossenses. Essa carta foi escolhida por conter denso conteúdo teológico acerca do salvador Jesus Cristo e aplicações práticas que julgamos ser de grande relevância justamente para criarmos um grupo coeso e que mantém o padrão bíblico de eclesiologia. Os sermões expositivos serão apresentados por mim e pelo Robson Alves em meses alternados.

Em suma, desde o dia em que aqueles dois homens abriram seu estabelecimento com o intento de sustentar a eles mesmos financeiramente, o número de igrejas evangélicas tem crescido exponencialmente. Entretanto, o que podemos averiguar com facilidade é que esses lugares surgem quase que exclusivamente da torpe ganância de homens maldosos que fazem da fé um negócio proveitoso (Tt 1.11; 2 Pe 2.1-3). É justamente para livrar o povo de Deus de homens como esses que a Igreja Batista Redenção abre um ponto de pregação da Palavra na Zona Oeste de São Paulo.

Graças a Deus, aquela suposta igreja, que servia tão somente para remediar o desemprego dos dois homens, deu lugar a um estabelecimento que, com eficácia real, remedia um número maior de pessoas... uma farmácia.

Isaac A. Pereira

 

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.