Quinta, 22 de Agosto de 2019
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Provérbios 30.21-23

  

Provérbios 30.21-23

“Três coisas fazem tremer a terra, e quatro ela não pode suportar: O escravo que se torna rei, o insensato farto de comida, a mulher desprezada que por fim se casa, e a escrava que toma o lugar de sua senhora” (Pv 30.21-23 NVI).

Maximilien François Marie Isidore de Robespierre (1758-1794), advogado e político francês, destacou-se como o maior nome da Revolução Francesa. Desde cedo, ele se mostrou um crítico da monarquia, sentindo-se explorado pela nobreza dos seus dias. Quando a revolução estourou, ele foi um dos que pediram a condenação e morte do rei Luís XVI. Mas quando todos pensavam que o autoritarismo e os abusos tinham terminado, Robespierre iniciou um regime totalitário pior que o anterior, no qual milhares de pessoas foram mortas na guilhotina. O morticínio, que começou exterminando inimigos da revolução, passou também a matar pessoas simples e inocentes e até amigos que não eram tão radicais como Robespierre — Georges Jacques Danton (1759-1794), por exemplo. Por fim, quando chegou a vez de o próprio Robespierre ser morto na guilhotina, ele não deixou saudades, pois se tornou tudo aquilo contra o que lutou no início da sua vida.

A verdade é que todos almejam uma melhora em suas vidas, mas nem todos estão preparados para ela. Por isso, Agur utiliza sua introdução numérica para falar que “três coisas fazem tremer a terra, e quatro ela não pode suportar”, figura que produz a ideia de coisas insuportáveis e intoleráveis, como se fossem expurgos da terra. Nesse sentido, ele alista pessoas cuja sorte foi mudada para melhor, mas que passaram a assumir uma postura muito desagradável diante dos outros. Não significa que somente nesses casos específicos ajam assim — por isso, a figura numérica é usada a fim de dar exemplos não exaustivos. O fato é que muita gente que passou por apertos, humilhação, sofrimento e desrespeito faz exatamente o mesmo que lhe foi feito quando tem a oportunidade de melhorar de vida, como se fosse uma desforra pelo que passou ou se tivesse chegado a sua vez de esmagar e humilhar os outros.

O primeiro exemplo é “o escravo que se torna rei” — ele pode se tornar um tirano em vez de um libertador para aqueles que sofrem o mesmo que ele sofreu. O segundo é “o insensato farto de comida” — alguém que se ensoberbece diante dos outros como se de nada precisasse. O terceiro é “a mulher desprezada que por fim se casa” — depois de ser rejeitada por muito tempo, torna-se possessiva e ostentadora. O último exemplo é “a escrava que toma o lugar de sua senhora”, uma menção que parece se referir à empregada que se casa com o patrão depois da morte da sua patroa, passando a ser a senhora da casa e a mandar em quem antes eram seus companheiros de trabalho. É claro que alguém que sobe na vida não é forçado a agir com soberba e com desprezo pelos outros, mas é certo que essa é uma tentação muito grande para quem já sofreu no passado. Por isso, lembre-se de que, antes de alguém próspero — se esse for o caso —, você é um servo de Deus cuja verdadeira riqueza está no amor do seu salvador e em um caráter transformado por Cristo. Aja de acordo.

Pr. Thomas Tronco 

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.