Sábado, 14 de Dezembro de 2019
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Provérbios 25.14

  

Provérbios 25.14

“Como nuvens e ventos sem chuva é aquele que se gaba de presentes que não deu” (Pv 25.14 NVI).

Aristóteles (384-322 a.C.), filósofo grego, teve a tarefa de ser o tutor de Alexandre o Grande. Seu ensino atravessou a história e influenciou pensadores e teólogos, especialmente a partir do início do segundo milênio. Certa vez, questionado a respeito do que um homem poderia ganhar proferindo falsidades, ele simplesmente disse: “Não ser crido quando ele disser a verdade”. E Aristóteles tinha razão. Uma coisa que marca negativamente as pessoas é confiar em palavras que depois se mostram vazias.

Salomão parecia conhecer o efeito negativo de promessas não cumpridas. Como rei de Israel, é possível que ouvisse muitas promessas de pessoas que queriam impressioná-lo, obter benefícios ou adiar algum pagamento. Também devia estar a par das promessas que os príncipes e nobres faziam ao povo sem depois cumpri-las. Talvez, por isso, tivesse algo a dizer a gente que age assim. Nesse provérbio, ele se dirige àquele “que se gaba de presentes que não deu”. Literalmente ele fala daquele que dá “presentes de falsidade” ou “presente mentiroso”, ou seja, a pessoa que diz que dará algo que nunca chega a dar. A comparação que o escritor usa para se referir ao problema é sugerir que quem age desse modo é “como nuvens e ventos sem chuva”. O mundo agrário em que o rei sábio estava inserido tornava tal comparação algo vívido e marcante para seus ouvintes.

Quase todo israelita tinha algum contato com a lavoura e quase todos já haviam se frustrado vez ou outra ao esperar uma chuva que não chegou a cair. O prejuízo à plantação era sentido não apenas no campo, mas também em suas mesas com menos fartura do que precisavam. Assim, nuvens que ameaçavam chuva e não as deixavam cair traziam sofrimento e tristeza. Ao comparar esse tipo de dor com alguém que faz promessas falsas, o defeito em questão é a falta de fidelidade e o desinteresse pela honra. A palavra de um homem ou uma mulher deve ser um dos bens mais caros que alguém possui. Ao contrário disso, muitos se valem de palavras vazias que são utilizadas como meras ferramentas para obter o que se quer. O homem sábio não diz coisas desse modo, mas diz a verdade e a faz valer. Por isso, antes de prometer algo, pense bem. Trovejar, mas não chover não adianta nada.

Pr. Thomas Tronco

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.