Terça, 20 de Agosto de 2019
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Provérbios 25.1,2

  

Provérbios 25.1,2

“Estes são outros provérbios de Salomão, compilados pelos servos de Ezequias, rei de Judá: A glória de Deus é ocultar certas coisas; tentar descobri-las é a glória dos reis” (Pv 25.1,2 NVI).

Quando estive na cidade norte-americana de Morristown, em Nova Jersey, visitei um lugar chamado Fort Nonsense, cujo significado é algo como “forte sem sentido”. Em 1777, os soldados de George Washington enfrentaram um rigoroso inverno no qual a inatividade começou a desanimá-los. Notando resmungos e sinais de inquietação, Washington disse aos oficiais de engenharia que deviam construir um forte rapidamente. O trabalho começou e os soldados saíram da apatia, preparando-se para um ataque que julgavam ser iminente. Quando a primavera chegou, o general ordenou que as tropas marchassem. O chefe de engenheiros, então, perguntou: “Vamos nos mover antes que o forte esteja terminado?”. Washington respondeu: “Ele já serviu ao seu propósito. O forte foi apenas uma construção sem sentido para manter os homens ocupados em algo que eles pensavam ser importante”. Pois é! Não é nada fácil liderar e o bom senso de um líder é provavelmente sua melhor ferramenta.

O capítulo 25 de Provérbios abre uma nova seção de escritos de autoria de Salomão que foram reunidos nos dias do rei Ezequias, um bom rei de Judá. Justamente por ser de interesse de Ezequias reunir sabedoria, os versículos 2 a 7 tratam justamente da atividade real. Assim, é dito que “a glória de Deus é ocultar certas coisas”. Ainda que esse trecho nos fale sobre o Senhor, a afirmação serve como preparação para a próxima, a qual fala de um rei terreno, dizendo que “tentar descobri-las é a glória dos reis”. Isso quer dizer que Deus tem conhecimento demais e, portanto, esconde aquilo que o homem não deve saber e limita sua revelação à capacidade do entendimento humano. Por outro lado, o rei, como homem que é, tem conhecimento de menos, de modo que precisa buscar o que não sabe a fim de tomar as decisões certas e e governar com justiça e sabedoria.

Isso nada mais é que um incentivo aos líderes para que busquem o conhecimento que lhes falta no exercício da sua tarefa. Está implícito, mas de modo claro, que qualquer liderança é bem mais complicada que possa parecer e necessita de pessoas bem preparadas. Tolice, nesse caso, é confiar cegamente na intuição e na limitada experiência pessoal. O líder deve primar pela excelência, devendo ter em alta conta a sabedoria adquirida pelo estudo minucioso de todo tipo de informação ligada à sua função de liderança. É claro que poucos homens, mesmo no passado, chegaram ao trono real. Mas todos nós temos de liderar em alguma medida. Além disso, temos de seguir o exemplo de líderes sábios. Por isso, o estudo — em especial, o estudo bíblico — deve ser um importante objetivo para cada um dos servos de Deus. Os melhores líderes da história foram homens capacitados por meio do estudo. Os piores foram homens cuja mediocridade se espalhou por tudo que tocaram. Que tipo de líder você quer ser? E que tipo de servo pretende se tornar?

Pr. Thomas Tronco

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.