Quarta, 16 de Outubro de 2019
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Testemunho de um Casamento Cristão, do Início ao Fim

Pastoral

Recentemente, um querido irmão em Cristo, Adilson Vieira, perdeu sua esposa. Por ocasião do culto fúnebre da Gody (como carinhosamente a chamávamos), ele pronunciou o seguinte discurso:

Deus nunca me desamparou e nunca irá me desamparar.

Carlos Oswaldo Pinto, que foi Reitor e Professor do Seminário Bíblico Palavra da Vida e que já desfruta das delícias celestiais, afirmava que “os métodos de Deus nem sempre fazem sentido, mas estão sempre certos”.

Deus me deu muitos presentes. O maior deles, sem dúvida, foi a graça da salvação; o outro, me arrisco a dizer, pouco menor, foi ter me dado a Gody como esposa.

Nosso encontro, da maneira inusitada como se deu, somente pode ter sido arquitetado pelo Deus soberano.

Eu a vi pela primeira vez às 19 horas, do dia 4 de abril de 1970, em frente ao prédio da rua Paissandu, 94, no Rio de Janeiro. Ela, então, com 19 anos e eu prestes a completar 24. Diga-se de passagem, foi um encontro arranjado por um amigo comum.

Quando ela atravessou a rua para se encontrar comigo, eu, embora nervoso, pela razão do primeiro encontro, não pude deixar de perceber o seu porte de princesa: alta, esguia, cabelos até à cintura; logo percebi seu rosto meigo, sorriso cativante. Era ela. Era o presente que Deus havia preparado para mim.

Desde aquele longínquo 4 de abril, tornamo-nos cúmplices em tudo. Ela não era a minha maior confidente. Ela era a minha única confidente. Não tínhamos qualquer segredo um para o outro.

Em 16 de dezembro de 1972, às 19 horas, nós nos casamos na Igreja Presbiteriana de Inhaúma, no Rio de Janeiro. Uma cerimônia simples, mas linda e cheia de significado para mim e para ela. Neste ano, iríamos completar 44 anos de casados.

Começamos, então, a nossa vida juntos e Deus foi enchendo a nossa aljava. Muitos me disseram que as meninas tinham dado sorte porque todas puxaram à mãe. Nunca tive dúvidas quanto a isso, para sorte delas.

Era uma esposa e mãe dedicada. Viajamos juntos tantas vezes e rimos tantas outras, principalmente por causa das minhas mancadas, que as meninas não perdoavam.

Depois, de mansinho, foram chegando os genros. Na sequência, a promessa de Deus — “e verás os filhos dos teus filhos” — foi se cumprindo. À medida que os netos iam chegando, eram notórios o contentamento e a alegria estampados no rosto da minha esposa. A todos dedicava carinho e atenção.

Seu amor por missões era contagiante. Em suas devocionais, orava diariamente pelos missionários, inclusive pelos que não estavam vinculados diretamente à nossa igreja.

A nossa casa sempre estava aberta para hospedar pastores e missionários. Por lá, passaram centenas deles. Dedicava-se com esmero e carinho para que todos fossem bem recebidos e se sentissem à vontade.

Nos últimos anos, superou como uma verdadeira guerreira as enfermidades que sobre ela se abatiam. Passou por quatro cirurgias, fez sessões de quimioterapia e de radioterapia. Nunca reclamou de nada. Algumas das suas cirurgias coincidiram com o período em que ocupei a presidência executiva do Mackenzie, o que me obrigava a deslocamentos semanais para São Paulo. Cogitei deixar o cargo, o que ela, com veemência, não concordou.

Amava profundamente a igreja. Conversávamos sobre as dificuldades da igreja e um dia ela me confidenciou: “Eu não gostaria de mudar de igreja. Eu amo esta igreja e gostaria de ficar aqui até os últimos dias, independentemente de você continuar ou não no presbiterato”.

Amava, também, a Organização Palavra da Vida. Sempre que estávamos em uma dependência da Palavra da Vida, em Atibaia, em Caldas Novas ou em Schroon Lake, ela sempre me dizia: “Quando estou aqui eu me sinto como se estivesse na antessala do paraíso”.

Ela viveu marcando vidas com o seu testemunho a respeito de Cristo. Marcou a minha vida, a vida das filhas e dos genros, a vida dos netos, a vida dos profissionais que cuidavam do seu visual, a vida das moças que nos serviam — quase que diariamente — cafezinhos no Fran’s Café, e a vida de tantos outros.

No último dia 23 de fevereiro embarcamos em um voo diurno para os EUA a fim de visitar os filhos e netos que lá residem. Ela estava radiante com a viagem e me disse: “Nossa, estou tão feliz de fazer esta viagem. Esperei tanto por este dia”.

Chegamos na casa dos filhos por volta das 21h30. Desfizemos a mala apenas o necessário. Fomos dormir. De madrugada, ao ir ao banheiro, ela teve um desmaio. Quando me dei conta, ela estava estendida no chão do banheiro. Eu a levei de volta para a cama e recomendei que não fosse novamente ao banheiro sem falar comigo. Duas horas depois, ela me disse que queria ir ao banheiro e foi apoiada em mim. Novo desmaio. Durante o dia 24, mais uns dois desmaios. Estava muito fraca e não conseguia ficar em pé. Ao final da tarde, meu genro, que é médico, sugeriu que a levássemos para o hospital. Depois de vários exames de sangue e punção da medula, ficou confirmado o diagnóstico de leucemia aguda.

Eu sabia que a situação era crítica, mas sabia também que Deus estava no controle, mesmo que o desfecho, do ponto de vista humano, viesse a ser desfavorável.

Na tarde do dia 26, dois dias depois de ter sido hospitalizada, Deus, que nunca se atrasa, em sua eterna soberania resolveu levá-la para a glória, onde ela já desfruta da eternidade celestial.

Tenho dito e reafirmo que, embora triste e choroso, não estou decepcionado com Deus. O que consola e conforta o meu coração é que ela estava preparada para se encontrar com o Senhor Jesus, a quem tanto amava.

E você, que ouve isso agora? Você está preparado para esse encontro? Se não, entregue sua vida a Cristo, receba-o em seu coração e, assim, poderá desfrutar da certeza que ela desfrutava — a de viver eternamente no céu com Cristo.

Eu não a perdi. Simplesmente não a perdi porque eu sei onde ela está. E, no tempo de Deus, eu também irei encontrá-la no céu e lá não haverá nem lágrimas, nem dor, nem tristeza. A Bíblia — a Palavra de Deus — me garante isso.

A Deus, o autor da vida e da esperança dos justificados pela fé em o nosso Senhor Jesus Cristo, seja toda a honra e toda a glória, hoje e eternamente!

Adilson Vieira

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.