Segunda, 18 de Novembro de 2019
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Provérbios 26.3

  

Provérbios 26.3

“O chicote é para o cavalo, o freio, para o jumento, e a vara, para as costas do tolo!” (Pv 26.3 NVI).

Um americano que viajava pela Síria conheceu um pastor de ovelhas. Todas as manhãs, ele via o pastor carregando algo para o rebanho. O viajante o seguiu, certo dia, e descobriu que ele levava comida para uma ovelha que tinha uma das pernas quebradas. Ele perguntou ao pastor: “Como a ovelha quebrou a perna? Ela se acidentou?”. O pastor respondeu: “Não. Eu quebrei a perna dela”. “Você a quebrou?”, perguntou o viajante surpreso. O pastor explicou: “Sim. Eu tive de fazê-lo porque esta é uma ovelha rebelde que não ficava com o rebanho, mas vivia se perdendo. Ela passou a fugir de mim e eu não conseguia abordá-la. Então, eu tive de quebrar sua perna para que pudesse alimentá-la a cada dia. Ao fazer isso, ela vai me conhecer como seu pastor, confiar em mim como seu guia e manter-se junto com o rebanho”.

Se uma ovelha pode dar um trabalho desses, imagine só outros animais que tradicionalmente são mais teimosos e difíceis de se lidar. Infelizmente, a teimosia não é exclusividade dos animais, pois o homem consegue ser tão ou mais teimoso que muitas feras. Salomão o compara a outros animais de dura lida para explicar o que é necessário utilizar com o tolo quando ele rejeita o caminho correto, a liderança justa e as palavras de sabedoria. Assim, do mesmo modo que “o chicote” serve para conduzir “o cavalo” e o “freio” serve para conter o “jumento”, o escritor afirma que “a vara” serve para ser aplicada nas “costas do tolo”. A mesma figura é utilizada outras vezes antes que surja aqui (Pv 10.13; 14.3; 19.29), mostrando que o único remédio eficaz para o tolo é a disciplina ou as consequências da sua própria tolice.

O remédio alternativo seria o aprendizado da sabedoria da Palavra de Deus, o arrependimento dos pecados e dos erros tolos e a disposição de seguir a verdade. Infelizmente, o insensato vive na tolice justamente por rejeitar todas essas coisas, trazendo sobre si consequências que lhe fazem lamentar no futuro. É dever do sábio aplicar a disciplina ao tolo a fim de protegê-lo de si mesmo e dos seus enganos autoimpostos, ensinando-o a caminhar pelos caminhos justos de Deus. O perigo com o qual temos de nos preocupar seriamente é que nós mesmos abandonemos a sabedoria e ajamos como tolos que se orgulham de si, que querem ser independentes de lideranças justas e que desejam se desapegar do Senhor e dos seus ensinos. Se isso acontecer, nossas próprias costas serão alvos da vara da disciplina divina até que recobremos o juízo, arrependamo-nos do mal e voltemos a Deus. A parte boa é que ele sempre aceita de volta seus filhos arrependidos. A parte ruim é que as cicatrizes das costas permanecem. Você quer mesmo carregar tais marcas dolorosas?

Pr. Thomas Tronco

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.